A história de Mosqueiro

A história da ilha de Mosqueiro, que se confunde com a da colonização da Amazônia, poderia ter sido outra quando o navegador espanhol Vicente Iañes Pinzón, em janeiro de 1500, desembarcou em uma das praias de uma aprazível ilha com ondas de água ou se em fevereiro de 1542, quando o explorador espanhol Francisco Orellana conclui a travessia do Rio Amazonas desde os Andes até o Oceano Atlântico, ou se ainda, Francisco Caldeira Castelo Branco em dezembro de 1615, tivessem se estabelecido na região durante o período de descoberta e desbravamento da América do Sul.

Historiadores apontam a presença da Companhia de Jesus em Mosqueiro no início do século XVII, onde mantinham uma tribo de índios submissos denominados de “Morobiras”. Mapa de 1680, da costa das Capitanias do Pará e do Maranhão registra, entre outras localidades, Mosqueiro e I. Morobira. Nos fins do século XVIII, planta hidrográfica da Costa, em longa relação de lugares litorâneos, assinala a Ponta do Mosqueiro entre a baía de Santo Antônio e baía do Sol.

A História de Mosqueiro poderia ter sido outra
A História de Mosqueiro poderia ter sido outra

Sabe-se que no início do século XIX, a Vila do Mosqueiro era o lugar onde existia uma Irmandade responsável pelo culto à Virgem do Ó. Nessas e em outras situações é possível identificar a presença do colonizador em território mosqueirense, porém não se encontra o registro de alguma data correspondente à fundação de algum vilarejo ou mesmo a chegada dos colonizadores.

A ilha já foi palco de batalhas durante a revolta dos Cabanos na primeira metade do século XIX, mas foi durante o período da belle époque belenense que Mosqueiro passou a figurar como usufruto de veranistas que adquiram propriedades e construíram os famosos chalés em estilo europeu. Essa relação se intensificou com a construção da Rodovia Belém-Mosqueiro e da Ponte Sebastião de Oliveira que possibilitou o acesso de milhares de pessoas.

De povoado à Freguesia em 1868, de Freguesia à Vila em 1895 e de Vila a Distrito em 1901.

Mais um pouco da história, Mosqueiro pertenceu à antiga freguesia de Benfica onde eram registradas as concessões de terrenos localizados na Ilha. Em 10 de outubro de 1868 o vice-presidente da Província do Pará, o Cônego Manoel José de Siqueira Mendes, sancionou a Lei no 563 da Assembleia Legislativa Provincial que eleva a povoação do Mosqueiro a freguesia sob a invocação de Nossa Senhora do Ó”.  A freguesia do Mosqueiro incluía também as ilhas de Cotijuba, Paquetá, Jutuba e Tatuoca. Em 6 de julho de 1895, a Lei no 324 deu a Mosqueiro foros de Vila. No governo de Augusto Montenegro, com a Lei no 753, de 26 de fevereiro de 1901, Mosqueiro passou a ser distrito administrativo da capital paraense.

Com informações do blog http://mosqueirosustentavel.blogspot.com/